Segurança na Internet

Pergunte

 

A melhor maneira de descobrir o que o seu filho faz online é perguntando. Você pode perguntar a outros pais, a um amigo com conhecimento em Internet ou ao seu filho como ele usa a internet. Fazer as perguntas certas ajudará você a entender o que o seu filho faz quando está online, para ter certeza de que ele está fazendo escolhas seguras.

 

Pergunte ao seu filho:

 

  • Quais sites você visita?
  • O que você faz nesses sites?
  • Por que você visita esse site?
  • Quanto tempo você gasta no site?
  • Você precisou se registrar?
  • Quais informações eles pediram?
  • Quais informações você deu?

 

Imprimir o acordo de uso da Internet

Imprimir as seis dicas de segurança

 

Passe um tempo navegando na Web com seu filho. Essa é uma ótima maneira de descobrir como e com quem ele interage online.

 

Comunique-se

 

Após descobrir como seu filho usa a Internet e ao que ele tem acesso, você pode estabelecer orientações e regras. Seja para definir orientações sobre quais sites seu filho pode visitar ou o que ele pode fazer online, é essencial comunicar as regras com clareza.

Converse frequentemente com seu filho sobre os riscos em potencial e o que fazer em diversas situações. Incentive-o a fazer perguntas sobre as situações que ele encontra. Conscientizar-se dos riscos que seu filho enfrenta e comunicar-se frequentemente com ele sobre esses riscos o ajudará a desenvolver bom senso e responsabilidade no uso da Internet.

 

Regras de segurança

 

A Internet oferece oportunidades incríveis de entretenimento, educação, conectividade e muito mais. No entanto, todas as pessoas que se conectam devem entender as regras básicas de segurança online. Ensinar essas regras básicas aos seus filhos é fundamental.

  1. Nunca compartilhe as IDs e senhas de suas contas com amigos ou estranhos, online ou offline.
  2. Não revele nenhuma informação de identificação pessoal no seu nome de tela como, por exemplo, data de aniversário, passatempos, cidade de residência ou nome da escola.
  3. Em todas as trocas de informações como, por exemplo, via e-mail ou sala de bate-papo, nunca dê informações pessoais sobre si mesmo ou outra pessoa.
  4. Não compartilhe fotos suas, da sua família ou da sua casa com as pessoas que você conheceu online.
  5. Nunca abra e-mails de fontes desconhecidas. EXCLUA eles.
  6. Não responda a comentários maldosos ou ameaças recebidas online. Faça logoff e informe aos seus pais.
  7. Nada que é escrito na Web é completamente privado. Tenha cuidado com o que e para quem você escreve.
  8. Nunca faça planos para encontrar pessoalmente um “amigo” online.
  9. NA DÚVIDA: sempre peça ajuda a seus pais. Caso não tenha certeza, faça logoff.

 

Assédio virtual

 

Assim como uma criança talvez sofra com o assédio ou comportamento agressivo de outros alunos na escola, ela também pode ser vítima de assédio online. Os agressores, chamados de “cyber bullies”, podem enviar mensagens ou imagens nocivas e cruéis por meio da Internet ou de um dispositivo eletrônico, como o telefone celular, a fim de assediar, envergonhar, humilhar e ameaçar a vítima. Outras formas de assédio incluem chantagem e roubo de senhas e identidade. Muitas crianças podem se tornar tanto causadores quanto vítimas de assédio. Apesar de muitos “cyber bullies” permanecerem anônimos, frequentemente, esses agressores são crianças que a vítima conhece da escola, da colônia de férias, do grupo comunitário ou da vizinhança.

É importante falar abertamente com as crianças sobre como lidar com as situações de assédio. Se o seu filho sofrer algum tipo de assédio virtual, lembre-se de que os agressores se engrandecem com as reações das vítimas. As crianças devem evitar a intensificação da situação, negando-se a responder ao agressor. Os pais devem entrar em contato com as autoridades locais, caso o problema persista. Certifique-se de salvar todas as mensagens, incluindo a hora e a data.

 

Recursos

 

Há crianças que desde os dois anos de idade já interagem com a Internet, sentadas no colo dos pais. Entretanto, à medida que ficam mais velhas, elas podem começar a se aventurar online sozinhas, com todo o apoio e orientação que você pode dar. Fica a critério dos pais decidir quais controles devem existir e quando relaxá-los, à medida que as crianças crescem e se tornam mais maduras para tomar as próprias decisões. Eis aqui alguns recursos que você pode empregar para definir como seu filho deve usar a Internet:

  • Muitos sites têm guias para os pais. Consulte-os para se certificar de que você entende como os sites que seu filho visita lidam com a segurança.
  • Alguns sites oferecem controle dos pais. Aproveite esse recurso para determinar o que seu filho pode acessar.
  • A maioria dos navegadores possui configurações para bloquear sites ou domínios inteiros. Use esses controles para pré-selecionar os sites que as crianças podem ou não podem visitar.
  • Pesquise os softwares disponíveis para monitoramento do uso da Internet pelas crianças.
  • Leia as políticas de privacidade dos sites favoritos do seu filho para saber quais informações sobre a criança são coletadas e como são usadas.

 

Voltar ao início back-to-top